Governador opta por não pedir intervenção federal na Saúde de RR

Medida foi sugerida pelo secretário de Saúde para evitar colapso durante a pandemia. Governador Antonio Denarium (PSL) optou por não pedir intervenção federal Secom/Diulgação O governador de Roraima, Antonio Denarium (PSL), não vai pedir intervenção federal na Saúde, conforme informou o governo na noite desta terça-feira (26). A intervenção federal foi sugerida em ofício pelo secretário de Saúde, coronel Olivan Junior, para evitar um colapso durante a pandemia de coronavírus. "Até o momento, nenhuma Secretaria de Saúde do país está sob Intervenção, mesmo os estados em maior crise devido à pandemia do novo coronavírus", diz trecho da nota enviada pelo governo. O Hospital Geral de Roraima (HGR), administrado pelo governo do estado, tem 112 leitos de enfermaria e 38 leitos de UTI com ventiladores mecânicos destinados à pacientes de Covid-19. O titular de Secretaria de Saúde também sugeriu um choque de gestão em quatro passos. O governo afirmou que Denarium e Olivan devem trabalhar juntos "para combater todas as irregularidades apontadas na Sesau". Leitos e pico da doença Roraima registrou 2.583 pessoas infectadas e 102 mortes até esta segunda-feira (25), quando também havia 162 pacientes com Covid-19 internados na unidade. O governo, no entanto, não informou quantos leitos de UTI estão ocupados e quantos estão disponíveis. O hospital de campanha, construído pela Operação Acolhida, deveria oferecer até 1,2 mil leitos. No entanto sua abertura foi adiada quatro vezes porque o governo do estado deixou de fornecer profissionais e materiais. Nesta terça, a capital do estado chegou ao pico de contágio do coronavírus e de acordo com estudos da prefeitura, o período deve durar até 10 de junho.

Governador opta por não pedir intervenção federal na Saúde de RR

Medida foi sugerida pelo secretário de Saúde para evitar colapso durante a pandemia. Governador Antonio Denarium (PSL) optou por não pedir intervenção federal Secom/Diulgação O governador de Roraima, Antonio Denarium (PSL), não vai pedir intervenção federal na Saúde, conforme informou o governo na noite desta terça-feira (26). A intervenção federal foi sugerida em ofício pelo secretário de Saúde, coronel Olivan Junior, para evitar um colapso durante a pandemia de coronavírus. "Até o momento, nenhuma Secretaria de Saúde do país está sob Intervenção, mesmo os estados em maior crise devido à pandemia do novo coronavírus", diz trecho da nota enviada pelo governo. O Hospital Geral de Roraima (HGR), administrado pelo governo do estado, tem 112 leitos de enfermaria e 38 leitos de UTI com ventiladores mecânicos destinados à pacientes de Covid-19. O titular de Secretaria de Saúde também sugeriu um choque de gestão em quatro passos. O governo afirmou que Denarium e Olivan devem trabalhar juntos "para combater todas as irregularidades apontadas na Sesau". Leitos e pico da doença Roraima registrou 2.583 pessoas infectadas e 102 mortes até esta segunda-feira (25), quando também havia 162 pacientes com Covid-19 internados na unidade. O governo, no entanto, não informou quantos leitos de UTI estão ocupados e quantos estão disponíveis. O hospital de campanha, construído pela Operação Acolhida, deveria oferecer até 1,2 mil leitos. No entanto sua abertura foi adiada quatro vezes porque o governo do estado deixou de fornecer profissionais e materiais. Nesta terça, a capital do estado chegou ao pico de contágio do coronavírus e de acordo com estudos da prefeitura, o período deve durar até 10 de junho.